segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Resistência Feminina



Devemos dar um destaque na cena feminina de SP. A cada dia que passa, podemos ver que as meninas criam mais resistência na cena e que a união anda acontecendo cada vez mais! E isso é ótimo! Porém, infelizmente, o machismo ainda existe nas subculturas, até mesmo nas libertárias. O machismo tem uma força difícilima de ser combatida, pois, o tempo todo as mulheres precisam lidar com qualquer tipo de situação que envolva o machismo. Desde piadinhas imbecis e músicas machistas, até dentro de nossas subculturas, onde muitas vezes, quando uma mina vai dar um mosh, ou vai pogar, não é respeitada e é obrigada a ter que ver uns caras que ao invés de trazer um incentivo para as mulheres dentro da cena, ficam com gracinha de querer passar a mão, por sempre vê-las como objeto sexual. Antigamente víamos que na cena punk, por exemplo, grande parte era formada por homens e as poucas mulheres que faziam parte daquilo, sofriam muito mais com o machismo do que nós sofremos hoje. Apesar que, ainda vemos que os homens são a maioria, mas hoje, mais mulheres começam a fazer parte da cena, mostrando disposição em continuar dentro dela e é isso que traz mais satisfação.
Mais mulheres agora resistem, se unem e mostram que assim como os homens, também lutam por uma mesma causa. Queremos mais minas pra nossa cena, queremos mais resistência e queremos mostrar que as mulheres também podem ser punks, também podem ser skinheads e que isso não é coisa só pra moleque. Nós também podemos organizar zines, nós também podemos organizar gigs, nós também podemos tomar uma posição dentro de uma subcultura, sem medo de nada. O que não pode rolar da parte das meninas, é se entregarem por se sentirem de prontidão para serem usadas como objeto de flerte para os garotos, tolerando gente pífia apenas com o intuito de tentar ganhar a simpatia de todos. O que tem que rolar, é colocar o ideal em prática, mostrar que a cabeça não é fraca e que estamos aqui batalhando da mesma forma que batalhamos no nosso dia-a-dia, tolerando o machismo nas músicas, tolerando o machismo nas ruas e também tolerando o machismo nas nossas subculturas.
Sexo frágil? Acho que não, pois o preconceito, o machismo, o padrão da mídia, nos abatem muito mais, nos humilham muito mais, nos violentam, nos estupram. A televisão estupra nossos olhos com mulheres agindo e sendo apenas brinquedos fantasiosos dos homens. No dia-a-dia, sofremos a violência de sermos taxadas de incapazes, quando CAPACIDADE é o que não nos falta. Nossa diferença em relação aos homens, é apenas física, e por mais que muitos digam que isso é evidente e que não há machismo, as mulheres sabem que não é bem assim.

Felizmente, nem todas as mulheres se rendem para um machismo atordoador, onde acabam se tornando bulímicas e anoréxicas por tentarem ter o corpo perfeito imposto pela TV. E nós somos essas mulheres! As mulheres que além de resistir o senso-comum, resistem dentro das subculturas e que felizmente, muitos homens já reconhecem o nosso valor no sentido de guerreiras, trabalhadoras e independentes! E o que queremos é MAIS. Mais mulheres correndo pelo certo, mais mulheres no ativismo, mais mulheres que sejam MULHERES e não bonequinhas de porcelana!
Já são tão poucas as que conseguem ver tão claramente que não precisamos seguir o senso-comum, então, para as mulheres que já estão na cena: ATITUDE, RESISTÊNCIA, INTOLERÂNCIA CONTRA O SEXISMO, CONTRA O FASCISMO E MAIS ATIVISMO.
Sem comodismo! Sem hierarquias dentro de nossas subculturas! Também estamos dentro dessa cena e se estamos dentro, é porque temos disposição para combater as escórias fascistas e os parasitas.

HOMENS E MULHERES ANTISSEXISTAS E ANTIFASCISTAS!

16 comentários:

Paulo disse...

Eu tinha uma visão totalmente errada sobre skins, depois que comecei a acompanhar este blog esta visão mudou. São de uma inteligência impar.. Na condição da minha sexualidade homo fica aqui meu respeito e admiração pelos skins sérios deste país. Forte abrço

Bird T. disse...

Paulo, com certeza isso é recíproco de nossa parte. Fico muito feliz de ver que o nosso blog consegue expor o outro lado da moeda, de skinheads que não mais suportam serem confundidos com carecas e com nazis. Somos admiradores da luta de vocês homossexuais, que enfrentam a sociedade, a família, driblam a violência e passam por cima de tudo e todos, pela liberdade de ser quem quer ser!
Deixo meu sincero agradecimento e minha completa admiração pela causa de vocês!

Pa Bovver disse...

Quando eu leio esse blog eu chego a acreditar no ser humano hahaha por mais que pareça exagero, é fato, vide o comentário do Paulo, fantástico isso.Vira e mexe gente do rolê me chama de gorda, "cremosa" e eu não soube me impôr de uma forma que fizesse isso cessar, ri, deixei passar batido, mas enfim, também não acho correto que, em primeiro lugar, analisem se uma garota no rolê é bonita, é "gostosa" e vai servir de objeto sexual pros machos alpha do rolê afora haha, do que suas idéias, conhecimento de causa, companhias, cultura.Pois é, no rolê mesmo ainda há homens que acham que mulheres não devem/podem falar gírias nem palavrões, pois as que falam não prestam, não merecem respeito.Eu me questiono, isso tudo é medo de infidelidade, medo de serem cornos, no português vulgar?
Um ponto em que eu sou, digamos, machista, é numa treta por exemplo, de fato, mulheres não tem a mesma força física que homens, generalizando, claro, o cara pode ser menor, a menina maior e mais forte, mas enfim, não acho justo.
Muito bom post, desculpe pela epopéia literária nos comentários.Abraços.

Fabio disse...

fico feliz tbm, por saber que existem pessoas capazes de ver os dois lados da historia, isso demonstra plena capacidade de inteligencia, certamente as portas desse rapaz, no quesito social iram abrir todas.E sua luz nao ira deixa-lo abalado com circunstancias talvez qualquer pessoa preconceituosas como oq há nesse mundo....

Bird T. disse...

Paula, isso é fato, e infelizmente os homens acabam apenas sustentando parasitas quando se trata de deixar idéias de lado e apenas querer saber do físico. Em relação ao sofrer em ser chamada de "gorda" etc, no sentido pejorativo, mostre pra eles umas pin-ups gordinhas que eram super valorizadas antigamente. Todas as mulheres sempre sofrem com esse padrão imposto pela mídia, tem umas que sofrem muito mais, principalmente as meninas de 13,14 anos que olham revistas de garotas lindas e perfeitas, obviamente com a beleza modificada no photoshop, e se transformam em anoréxicas e bulímicas pra tentar atingir um corpo perfeito, pela insatisfação que sempre levam na mente delas. O machismo MATA!
TODAS as mulheres sofrem com esses preconceitos, todas as mulheres sofrem com a violência do machismo e isso é normal. Mas sendo quem você é, já é um puta avanço dentro dessa sociedade escrota.

Bird T. disse...

obs. é uma anomalia ver que isso é considerado "normal", mas infelizmente é.

Pudding disse...

Esse texto foi influenciado pelo documentário Punks né? hahaha
Isso, fodam-se os padrões físicos impostos. E sem massagem pros pilantras.

Leo Antifa disse...

Fala Bird!
O comentario que o Paulo fez sobre Skins é altamente relevante. E o ponto que me fez entrar na luta antifascista foi jstamente o fato de meu irmao ser homo e meu pai operario. E sim, assim como ele, ainda actredito em "seriedade", e nao em pseudo skins que apoiam RAC e querem mudar o mundo batendo em homossexual etc etc.
Saudaçoes!
Leo Antifa

Kika disse...

Já te falei que amo seus textos? Essa luta é nossa, mulheres antifacistas, luta por igualdade dentro e fora do rolê, para que haja espaço para as mulheres, seja no acréscimo de idéias ou até em sua presença. Homens e mulheres são diferentes fisicamente e psicologicamente, fato, só que isso não justifica que hajam diferenças de tratamento e jurídicas, ambos são seres humanos e merecem o devido respeito.
Fora machismo, homofobia e fascismo.

Mini Punk's disse...

Esse texto tá massa, infelizmente poraqui EU conheço apenas uma mina no maximo q pensa como vc's e q ñ deixou o tal do feminismo/riot girl virar o conformismo "antigamente" a uns 2 anos atraz qnd a banda Bulimia era moda vc via mts pagando de femme, de riot mais e hjs ond estão??? puff, mó moda algumas até viraram paty. É Triste e vergonhoso ver isso =/ enfim.. Cheers from roça!

OBS: Não q eu seja burro mais teve uma palavra do texto q ñ intendi :S uq é uma pessoa pífia??? Gig eu até sei mais pifia ñ hsuahsuas..

*** Pô ser antifascista no interior chega ser algo um pouco "complicado" pois mtas vezes estamos sozinhos na luta saca? intão eu gostaria q vcs postassem um texto se tratando maizomenos disso pois tem mts q seguem sozinho e alguns infelizmente acabam caindo fora/desistindo!.. Eu msm toprecisando levantar minha auto-estima :/ abraços!

Bird T. disse...

Pífio pode ter vários significados dependendo da frase em que é encorpado. Mas no caso, pode-se ler "babaca", vamos dizer assim! haha Eu não sou a melhor das pessoas pra explicar x)

E ótima sugestão, com certeza prepararemos um texto nesse tipo e será em sua homenagem! :)

Mini Punk's disse...

Ahhh saquei, aqui ta cheio disso sahushaushausas... é foda, é foda.

Pow em minha homenagem? hehe num é pra tanto xD

Apenas Rascunhos . disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Byrd ANTIFA! disse...

Olá. agradeço pelo seu comentário! Devo dizer que você está extremamente correta por defender o outro lado da moeda. Essas garotas que me referi, não foi por ter visão superficial e muito menos por criticá-las, pelo contrário, acho que são apenas vítimas dessa sociedade. Sei que nem todas devem ter esse problema por conta da mídia, mas, conheci caso particular sobre isso, onde a menina(vou evitar citar nomes), confessava pra mim que houve muita influência da mídia e de revistas onde só mostravam padrões de beleza geralmente modificados pelo photoshop, ou então, mulheres que todos nós sabemos que fogem da naturalidade e que têm beleza superficial. Enfim, se pareci ofensiva, lhe peço desculpas, e entendo perfeitamente seu ponto de vista. Mas todas nós mulheres, somos sim afetadas pela mídia, mesmo mulheres que têm consciência do poder de manipulação que a mídia tem. Segundo pesquisas mesmo, é comprovado que mulheres que lêem determinadas revistas e assistem programas de televisão onde o tempo todo mostram um padrão de beleza a ser seguido, sentem algum tipo de depressão, a maioria delas. Tanto que por um lado, ao tirar os outdoors das ruas de SP, retirou fotos daquelas mulheres onde as meninas, desde pequenas, já começavam a se espelhar.
Meu intuito não foi o de "tirar com a cara" de meninas anoréxicas e bulímicas e sim, alertar uma parte do problema em que acaba levando-as a chegar nessa doença.
Mais uma vez, me desculpe se pareci ofensiva, às vezes, com a empolgação do texto, acabo falando demais.
Saudações antifascistas!

Byrd ANTIFA! disse...

Relendo o texto que escrevi, vi que falei realmente muito por cima sobre o assunto, então, tento justificar pra você, a minha real visão. No texto essa parte pode ser muito fácil de ser mal interpretada!

Apenas Rascunhos . disse...
Este comentário foi removido pelo autor.