quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Você não precisa assumir uma posição política, basta ter uma postura contra as corjas fascistas.

Decidi fazer esse texto, devido à pré-julgamentos ocorridos ultimamente em relação ao blog.
Acho interessante deixar bem claro que cada um tem a sua liberdade de escolha em querer envolver política no rolê, ou não. Ninguém desrespeita um trad, até mesmo porque seria contraditoriedade nossa (minha tb, já que sou skin) boicotá-los. Aliás, essa coisa toda de boicotar trads e todas as outras vertentes skins, é coisa de careca (e ainda tem uns "trads" que custam em defendê-los e não se incomodam com a presença deles em algum lugar que costumam frequentar). A questão que tanto colocamos ênfase e tanto queremos ver em relação as cenas undergrounds é a posição de COMBATER àqueles que deturpam toda a nossa cultura.
É realmente decepcionante uma pessoa decidir colocar um visual skin, pagar de bom bebedor e se dizer trad, não por real amor a sua cultura, mas por apenas se auto-afirmar e encontrar o método mais fácil e rápido pra isso. Por achar que ser tradicional, é não precisar ter uma postura perante carecas, e nazis (por íncrivel que pareça, tem "trads" que nem se lixam pra nazis), o que é um erro. Aliás, essas pessoas que se dizem trads, nem ao menos podem ser consideradas assim, pois, falam com todo o mundo e nem ligam se tem um careca no mesmo rolê que o deles, já que a moda agora, é ser skinhead. Trad de verdade, não é bem assim e vale citar esse ponto de vista e defendê-los, principalmente pros punks que começaram a abrir a cabeça agora em relação aos skins e ainda têm o pé atrás em relação à eles. Há muitos trads, trads de verdade, que sentem total repulsa por carecas e qualquer escória fascista e nazista. São pessoas que não envolvem sua política no rolê, mas nem por isso se corrompem tolerando qualquer tipo de sujeira envolvida. São aqueles que têm plena consciência que a cultura skin, é uma cultura das ruas, de jovens do subúrbio, pobres, trabalhadores. Sabem que fascismo, nazismo, são coisas incabíveis dentro de qualquer cultura underground, já que são ideologias extremamente conservadoras e burguesas. Já a esquerda, condiz muito mais com as características nossas, então não há porquê querer combatê-la. Mesmo que haja skins que tenham a opinião de achar a política uma merda em sua cultura, a política é algo que não dá pra combater, que existe em qualquer lugar, e não é necessariamente aquela política de se dizer anarquista, fascista ou comunista. É a política dos atos, a política de suas atitudes, é a sua postura muitas vezes. Não estamos mais em 69, e se há skinheads que querem mostrar o lado antifascista de maneira aberta e se querem se dizer anarquistas para todos ouvirem, isso não deixa de ser um fator muito positivo, em resposta aos fachos que sempre estão aí deturpando toda a nossa história, mudando todos os nossos valores. E não é por isso, que os skins anarquistas e comunistas convictos, vão boicotar os trads, aliás, quem nos conhece sabe que temos amizade com trad sem o menor problema e que não obrigamos ninguém a tomar uma posição e se auto-intitular anarquista ou algo do gênero. A única coisa que criticamos e que vamos continuar criticando e pisando no calo de muita gente por aí, é que NÃO TOLERAMOS CARECAS, NEM NAZISTAS. E vamos continuar NÃO TOLERANDO. Vamos continuar não aceitando e combatendo as pessoas que dão moral pra esse tipo de corja, pois estas pessoas, simplesmente estão pouco se ligando em preservar nossa cultura, só querem tomar a sua cerveja e deixar que os otários tomem posse de tudo e estraguem todo o suor feito.
Todos sabem que a união entre punks e skins no Brasil, já foi utopia. Graças aos skins que têm uma posição política e aos punks não sectários, essa união já foi concretizada, mesmo havendo muitas pessoas criticando. Graças à isso, deu pra unir o útil ao agradável e com pequenos passos, foi possível mostrar para muitos punks, que os trads não são pilantras que pagam pau pra careca. Então, aos pseudo-trads; por favor, a única posição que pedimos, é que vocês tenham a postura mais óbvia e que nem precisa ser dito, mas vale repetir: A de terem consciência que os carecas com calças camufladas e suspensório de pára-quedas, não são skinheads e nem merecem nossa moral. Vocês não precisam envolver a política de vocês nos rolês, mas evite queimar a nossa cena, dando moral pra "ex-nazi", nazi e carecas. Se vocês são pacifistas e só querem tomar a cerveja de vocês, preferindo falar com todo o mundo por medo de tomarem um prejuízo, então por favor, virem hippies, pois vocês já estão "carecas" (haha) de saber, que tretas sempre acontecem e não tem nenhum santinho nesse rolê. Então peço para parar de tentarem ser "bons samaritanos" e pacifistas. Se não querer tretar, não precisa, apenas tenham vergonha na cara de tomar uma posição contra as escórias que deturpam nosso rolê. Ser skinhead não é só colocar um visual e beber cerveja. É ter uma postura e não necessariamente política, mas contra àqueles que colaboram para queimar o nosso nome, uma postura de não ficar defendendo careca, já que se 5 carecas trombam um trad sozinho na rua, esse trad COM CERTEZA vai tomar um pau, pois, nem os próprios carecas gostam de trad. A não ser que o trad que está sozinho, tenha os seus contatos carecóides e seja baba ovo deles, para ganhar um pano. E de boa, quem vive em cima do muro, ganhando pano dos outros, é comédia.

7 comentários:

Riot disse...

sumemo
poucas idéias pra esses paga pau que não se dão ao trabalho de verem que "skinheads de direita" apenas sujam a cultura verdadeira. São os mesmo que ouvem Madness, Specials e 4 Skins e ja se consideram trads. hahaha

up the punx

Kika disse...

O que eu acho é o seguinte... Se a pessoa se identifica sendo trad, que bom pra ela, se ela curte mesmo o som da época, que esteja nisso porque curte música jamaicana. Só que pra mim, muita gente ai fala que é trad pra não tomar posição, fato. É o que acontece com muito punk que se diz street. Minha postura é intolerante sem sombra de dúvidas. Muita gente se esqueceu (ou finge esquecer) que os tempos são outros. Não tem como ser hoje tradicional skinhead como era na época, sem contar que no Brasil é outros 500 porque ainda temos a presença dos carecas. Ser trad ou street pra mim é algo de não misturar a política com o rolê, simplesmente isso. Até porque, convenhamos, não tem como ser apolítico na prática. Não que a pessoa tenha que ter alguma ligação com política, mas logicamente quem ouve som negro, vai ter asco por quem é racista, no caso de nazi, e uma cultura da classe operária, da "ralé", não vai ser conivente com a burguesia(que só a oprime), ou não deveria de ser, logo, nada de idéias direitistas, como dos carecas. Sem contar que eles só queimam o filme de tudo, e foi exatamente por isso que skinheads de verdade na década de 80, criaram a S.H.A.R.P., pra deixar claro que não tinham ligações e não compactuavam com lixo. Mas a real é que muita gente é oba oba, não entende das coisas e prefere não assumir postura nenhuma pra não apanhar na rua ou morrer ai de graça. Patéticos.

(A)zeiTs (↙↙↙) disse...

Concordo com o texto, e em partes com a kika!
o pobrema é q realmente aqui no Brasil sao outros 500, digo isso em relação ao street punk em si!
pq la fora plo menos, são eles quem mais tem união e cabeça dentro do rolê!
agente tem q parar de generalizar e dividir as subculturas ...Ou é PUNK ou não é! Todos sabem q o punk ja começou com ´tudo isso de ser cntra o estado e blalabla, logo, quem cola com pilantra, não é punk e pronto.... punks e skinheads sao vcs, convictos antifascistas.

tenho dito

beijos

Dizzy disse...

(A)zeits tá certo, é punk e skin e acabou!
Quanto mais se divide os grupos, mais dicifil é pra juntar depois.

Kika disse...

Eu acredito nesse lance de não dividir e tal as subculturas, não como motivo de criar pecuinha Azeit's, só que eu não entrei muito nesse merito hauhua. Por isso eu me denomino somente punk. :)

gustavo disse...

Pior, tava discutindo isso ontem mesmo com um mte de amigos....haha
Principalmente em relação a SHARP.

Acho que não há como tirar a política do rolê, só não é necessário ficar lembrando disso toda a hora.

Mas é incrivel, como mesmo alguns SHARPs, tem esse medo de assumir postura antifa. Ficam com desculpinhas pra não ter richa com careca.
E é foda, pq depois de tudo oq muitos tem feito, com zines e o caralho pra mostrar que a gente eh antifa, q cola com punk, que não envolve política...vem sempre um idiota e fala alguma coisa contrária....

As vzs tenho vergonha de dizer que sou SHARP....sauhsahushaushaushausahus

Daniel disse...

Apesar de concordar com alguns pontos do texto, como o que diz que é impossível viver isolado da política, entre outros; algumas coisas me causam estranheza.

Eu sou pacifista sim, é uma crença minha. Sou pacifista, mas não passivo. Simplesmente não sou eu que vou sair arrumando confusão, questionando os outros a respeito do role deles, enxergando pilantragem onde não tem, etc. Prefiro guardar energia pra encrenca de verdade, quando algum amigo meu precisar. Se quer me chamar de hippie, sinta-se à vontade, não vou me sentir um por causa disso.

Se questionado a respeito de compactuar com aquilo que não me agrada, seja do rolê que for, vou dizer que não e virar as minhas costas. Simples assim. Não vejo motivo pra sair caçando treta com quem está quieto. Isso não significa que eu ANDE com Careca ou Nazi. Inclusive, nas vezes que encontrei Careca, por exemplo, disse claramente com quem dava rolê, quem conheço, qual é a minha, coisa que pouca gente tem peito pra fazer. Aliás, hoje em dia, como o texto bem diz, skinhead está na moda. Logo, se vê várias pessoas dizendo que fazem e acontecem com "os pilantras" e na hora do vamo vê, abaixam a cabeça, negam o próprio rolê.

Simplesmente prefiro passar meu tempo com meus amigos, meu som, minha familia, etc, a sair comprando briga com quem tá quieto em seu canto. Falar de postura e de "política" é fácil, quero ver levantar 5 da manhã todo dia e sair pra rua.